As aventuras de uma balzac teenager

Sinta-se em casa!

sexta-feira, 8 de março de 2013

Hoje os Chorões somos nós...


Nenhum fã de Charlie Brown Jr. acordou feliz ontem. Perdão pelo trocadilho, mas só pensava em uma das músicas dele quando soube da morte de Alexandre Magno Abrão, o Chorão, vocalista da banda que catapultou o nome de Santos pro mundo. Mundo? Sim. Até o Axl Rose, do Guns, dedicou, em sua página do Facebook, o clipe de Don’t Cry ao cantor.
Com letras diretas e estilo debochado, Chorão deu voz a uma geração que se enxergou nas músicas do grupo. Desbocado e sem qualquer preocupação em agradar, ele mostrou que faltava uma pitada de sinceridade nas composições feitas pros jovens.
E foi assim, cantando a verdade, no estilo ‘doa a quem doer’, metendo o dedo na ferida da sociedade, que Chorão encantou a galera e inspirou muitos garotos a formarem bandas Brasil afora. Depois da Charlie Brown Jr. vieram muitas outras, na mesma pegada, tentando chegar aos pés dos originais. Impossível.
Chorão era a base da banda. Genial. Tão autêntico e sem meias-palavras que chegou a me espantar nas duas entrevistas que me concedeu. E, como todo gênio, não se encaixava no nosso mundo dos meros mortais. Era um cara competente e exigente no trabalho. Frágil, reservado e, em alguns momentos, impaciente na vida real, fora do palco. Na vida que não lhe pertencia.
Alexandre nasceu e morreu em São Paulo. Chorão nasceu em Santos e vai viver pra sempre...

(texto publicado no Expresso Popular, dia 7/3/13)

2 comentários:

Cristina disse...

Chorão vai deixar saudades mesmo....suas letras, sua música, aquele jeito meio moleque....uma pena.... Bjsss

Natalia Poletto disse...

MEUS QUERIDOS,
Quem me conhece sabe da minha experiência jurídica na área de saúde, e nos últimos tempos, tenho visto inúmeras reportagens sobre a cura do câncer através da substância FOSFOETANOLAMINA.
Meus avós, tios, e outros parentes próximos sofreram e alguns até morreram por esta doença então meu interesse é legítimo.
Sim, o tratamento é experimental, e por isso, ainda não tem aprovação da Anvisa ou chancela da ANS. Mas os relatos de resultados são tão surpreendentes que tem feito muitos pacientes procurar o medicamento.
Nos últimos meses, o assunto tem sido pauta de discussões acirradas no Poder Judiciário e, graças a Deus, a decisão mais recente autoriza o uso das cápsulas, caso tenha indicação médica.
Claro que existem interesses obscuros nessa comercialização e não se pode deixar de cogitar do prejuízo que a indústria farmacêutica terá com o eventual reconhecimento de cura da doença da substância.
Imaginem. Despesas mensais por pacientes que alcançam mais de R$ 100.000,00 ao mês. POR PACIENTE!!! Tudo indo por água a baixo, pois o valor de mercado da fosfoetanolamina é de R$ 0,10 por capsula.
O fato é que os pacientes que estão sofrendo não podem deixar de tentar esta alternativa. Claro, isto se o médico que lhe dá assistência não apresentar nenhuma resistência.
Por isso, e não só por ser advogada militante nesta área, convoco a todos para lutar pela liberação das cápsulas, judicial ou extrajudicialmente.
Segue o link para assinar a petição!
Sem preguiça pessoal!!!!

http://www.peticaopublica.com.br/psign.aspx?pi=BR85788

**** Para quem precisa de orientação jurídica, meu perfil no facebook é https://www.facebook.com/natpoletto